Gratinado de cogumelos e batata-doce




Quem me segue no Instagram já deve ter reparado que aderi aos cabazes de legumes com entrega em casa e tem sido um verdadeiro descanso para mim. Porque volta e meia lá vinha eu carregada com sacos do mercado de Arroios, coisa que nos transportes não é nada prático. O mercado da minha terra não é propriamente perto de minha casa e nos fins-de-semana há sempre mil coisas para fazer e tempo para lá ir é pouco. Sinto que cada vez é mais difícil comprar fruta e legumes de qualidade nos hipermercados, acabo sempre por ter que lá ir comprar as coisas mais básicas para o dia-a-dia, mas a fruta e os legumes já só compro os da quinta e só o simples facto de te virem trazer a casa é maravilhoso e saberem a fruta e legumes verdadeiros é maravilhoso. Isto para dizer que há relativamente pouco tempo mandei vir estas batatas-doces roxas, já não é a primeira vez que experimento e não será certamente a ultima. Têm uma cor linda e um sabor bem característico. 

Com o frio que se tem sentido ultimamente, já só tenho vontade de fazer comida de forno, aquecer a casa e ao mesmo tempo perfumar a cozinha. Esta receita foi feita como entrada enquanto tinha uma lasanha de espinafres no forno e soube muito bem. 

Deixo a receita para quem quiser experimentar, resto de boa semana.



Ingredientes: (entrada para 2 pessoas)
1 batata-doce (usei roxa)
5 dentes de alho
1 fio de azeite
300g de cogumelos pleurothus
1 colher de sopa de vinagre balsâmico (usei com aroma de trufa)
sal e pimenta de moer
2 colheres de sopa de parmesão ralado

Pre aqueça o forno a 200º.

Descasque a batata-doce e rale com uma mandolina ou um ralador de cenoura. Coloque-a a escorrer num coador para perder a água, pelo menos durante 30 minutos.

Numa wok com um fio de azeite, adicione os dentes de alhos laminados e deixe aquecer um pouco, de seguida com as mãos parta os cogumelos e adicione à wok. Saltei durante uns minutos e tempere a gosto, por fim, envolva o vinagre balsâmico e desligue.

Numa pequena cocote própria para ir ao forno, coloque os cogumelos no fundo, pressione com as costas de uma colher e junte 1 colher de sopa de parmesão.



Por cima, coloque a batata-doce, tempere novamente com sal e pimenta e polvilhe com o restante queijo parmesão.

Leve ao forno durante 20 minutos ou até a batata-doce ficar bem tostadinha.

Bolachas de aveia crocantes



Está a ser difícil não ligar o forno ao fim de semana, seja para refeições ou para doces. O tempo ajuda a ficar em casa e os livros chamam por mim e este livro que trago hoje é me muito especial. A autora é a Teresa Rebelo, autora também de um dos primeiros blogs que comecei a seguir - o Lume brando, é uma blogger muito querida que já tive o privilégio de conhecer. Lançou o seu primeiro livro o ano passado que eu infelizmente só consegui vir partilhar convosco hoje. É um livro que se foca essencialmente em ajudar a organizar festas/jantares com um toque muito especial na decoração e claro, nas receitas. É um livro para várias idades e cheio de coisas deliciosas, aconselho-o a todas as pessoas que gostem de receber amigos em casa com elegância, ou às que tenham gosto em organizar as festas dos mais novos.

Já reproduzi várias receitas desde livro, mas esta foi a que decidi mostrar-vos, por ser uma das preferidas dos homens cá de casa. 

Se gostam de bolachas crocantes, não deixem de reproduzir esta receita porque estas são bastantes. No livro estas bolachas levam uma cobertura de chocolate, mas como já sabem, por esta casa não há grandes apreciadores de chocolate, por isso deixámos as bolachinhas sem cobertura mas antes adicionámos umas pepitas de cacau cru bio que são completamente viciantes.



.  Receita rende 38/40 unidades . 

Ingredientes:
170 g de açúcar amarelo
100 g de manteiga sem sal à temperatura ambiente
120 g de farinha sem fermento
80 g de flocos de aveia triturados grosseiramente
1 ovo
1/5 colher de chá de fermento em pó
1 pitada de sal
1/2 colher de extrato de baunilha (usei baunilha em pó)
100 gr de chocolate negro cortado em pedaços pequenos (usei pepitas de cacau cru)

Pré-aqueça o forno a 180 ºC na função ventilação. Forre dois tabuleiros próprios para o forno com papel vegetal ou de silicone e reserve.

Com a batedeira, bata a manteiga e o açúcar até estarem bem ligados. Adicione o ovo e a baunilha e volte a bater, em velocidade baixa.

Junte a farinha aos poucos, batendo entre cada adição. 

Por fim, adicione as pepitas de cacau e envolva bem na massa.

Faça pequenas bolas de massa, do tamanho de brigadeiros e distribua pelos tabuleiros, estas devem ficar bem separadas entre si. A massa vai ficar um pouco húmida, o que faz com que se cole um pouco às mãos, mas se humedecer ligeiramente as mãos é mais fácil moldar as bolinhas. Achate ligeiramente as bolinhas com indicador para lhes dar o formato redondo das bolachas.

Leve ao forno durante 20 a 25 minutos ou até começarem a ficar douradinhas nos rebordos. É normal que quando são retiradas do forno ainda estejam um pouco moles no centro, mas depois de arrefecerem vão ficar bastante crocantes.

Coloque as bolachas sobre uma rede e deixe arrefecer completamente.




Endívias com laranja e romã



Mais uma semana e mais uma receita, esta é daquelas tão básicas que não percebo como ainda não a tinha feito antes. 

Tinha duas endívias no frigorífico que já não estavam nos seus melhores dias, mas já tinha a salada pronta na mesa. Não sei porquê mas tenho a mania de começar por fazer a salada ainda antes da refeição! Olhei para as endívias e pensei cá para mim e agora o que faço a estas duas? Viajei até França pela minha mente, agarrei na manteiga e adicionei-lhe os ingredientes que tinha no frigorífico ainda a cheirar a Natal.

Et voilà, saiu uma entradinha morna para aproveitar os restos. 

Antes de ir para a mesa pensei que visualmente merecia uma fotografia, peguei no telemóvel e ia apenas colocar no Instagram, mas "saquei" da minha máquina fotográfica e tirei estas três fotografias enquanto a sopa do meu filho aquecia :)

Espero que a vossa semana corra bem, porque parece que vem por aí chuva.
  

.  Receita para 2 pessoas . 

Ingredientes: 
2 endívias
sumo de 1 laranha grande
1 colher se sobremesa de manteiga 
raspas de 1/4 de laranja
2 colheres de sopa de amêndoa laminada
2 colheres de sopa de romã
1 colher de sopa de xarope de ácer
sal e pimenta verde q.b.

Numa frigideira anti-aderente dê cor às amêndoas laminadas e reserve.

Corte as endívias ao meio, tempere com sal, pimenta e coloque na frigideira em lume médio com a manteiga. Deixe amolecer e antes de as virar regue com o sumo de laranja, deixe cozinhar/ caramelizar uns minutos dos dois lados.

Regue com o xarope de ácer ou mel, adicione as amêndoas laminadas, envolva durante 2 minutos e desligue.

Sirva ainda morno, com os gomos de romã fresquinhos e as raspas da laranja.


Smoothie de mirtilos e aveia


As minhas manhãs são um contra-relógio para chegar todos os dias a horas ao trabalho, entre preparar-me, preparar o meu filho que é um querido mas já faz birras matinais e adora oferecer-me mudas de fraldas mesmo à ultima da hora. Carregar sacos, mochila, marmita, casacos e depois é costume... Meter-me no carro, esperar que com este frio pegue à primeira, deixá-lo à escolinha e rumar a Lisboa. Nesta correria toda os meus pequenos almoços são sempre os que ficam para depois. Muitas vezes enquanto ele dorme faço (sem fazer muito barulho) um smoothie ou um sumo mais verdinho (sim, já me iniciei nessas coisas dos verdes e estou a gostar). Meto-o dentro da marmita ou caso tenha tempo acompanho-o com uma torrada. Caso não, nos transportes até ao trabalho dou cabo dele.

Este não é verde mas é um smoothie leve que gostaria de partilhar convosco, é óptimo e muito prático para quem tem manhãs como a minha ou piores. Ainda lhe juntei uns morangos que por mais estranho que pareça andam muito bons, normalmente não se conseguem encontrar morangos doces tão cedo nos hipermercados, até estranhei. Ok, são gigantes e parecem vindos de filmes de animação de tão perfeitinhos, mas para matar as saudades servem muito bem.

Aqui vai a receita, bom fim de semana!



. Receita para 2 pessoas . 

Ingredientes: 
1/2 chávena de aveia em flocos (usei integral)
1/2 chávena de água
1/4 chávena de leite (usei de amêndoa)
1 lasca de gengibre fresco
1 pitada de baunilha em pó 
1 iogurte natural
5 morangos
1/2 chávena de mirtilos
4 tamaras medjool (sem caroço)

Coloque a aveia e as tâmaras em a água e deixe durante 30 minutos antes de preparar o smoothie.

Retire e escorra as tâmaras e a aveia da água e coloque  junto aos restantes ingredientes numa liquidificadora  ou robot de cozinha e triture até ficar homogéneo.

Caso não tenha usado as tâmaras, adoce com o mel a gosto e sirva bem fresco.


Manteiga caseira com salicórnia







Lembro-me de há uns anos atrás ver num programa do Jamie Oliver em que dizia, se baterem as natas em demasiado, não mandem fora, façam manteiga!

Desde então isto não me saiu da cabeça, confesso que de uma maneira geral vivo bem sem manteiga, consigo substituir pelo azeite na comida e até nas torradas de manhã como os espanhóis. Mas não por muito tempo, porque me sabe sempre tão bem comer um pão com manteiga como quando era criança. Depois há coisas que só sabem bem se for com manteiga, como a maior parte dos bolos e os risottos, que sem manteiga, nem me sabem bem a risotto.

Já algum tempo que andava a pensar em fazer manteiga caseira, o Youtube ajudou, está repleto de vídeos a explicar o passo-a-passo. A salicórnia (ainda não tinha provado) que gentilmente me foi enviada pela Riafresh foi o que me fez dar o passo em frente.

No entanto tive um pequeno percalço na primeira tentativa, as natas que usei não estavam demasiado frescas, o que fez com que não atingissem a consistência desejada. Mas à segunda, usei natas frescas e coloquei-as no congelador durante 1 hora, basicamente é o mesmo processo que faço para fazer chantili caseiro, não sei o que me deu na primeira tentativa!

Gostei bastante do resultado, acabou por ser super rápida de confecionar e ficou bastante cremosa, quanto à salicórnica, adorei! Dá um crocante maravilhoso à manteiga e fica bem salgadinha, porque eu sou daquelas que não consegue comer manteiga sem sal. No sul de França há uma manteiga maravilhosa com lascas de sal marinho, que ao passar a faca saltam farripas de sal, uma pequena maravilha.

E pronto, esta foi a minha primeira experiência que é sempre um prazer partilhar convosco, se tiverem dicas para futuras combinações digam, que eu agora vou virar uma manteigueira de certeza.

Nota:
O saco para coar a manteiga comprei na loja da Joana do Le passe vitte, é próprio para fazer leites vegetais (coisa que faço com alguma regularidade aos fins de semana), mas pronto, desta vez pequei um bocadinho, desculpa Joana! Já sabes que para mim o saudável é q.b. :D





.  Receita para 125g de manteiga . 

Ingredientes:
400ml de natas (bem frescas)
35g de salicórnia Riafresh 
água fria q.b.

Numa batedeira com a vara de arames, coloque as natas e deixe bater na velocidade média até passar do ponto "em castelo". Continue a bater até obter uma textura espessa e separada de um líquido (soro). 



Retire a manteiga e passe-a num coador fino ou um saco de tecido próprio para coar como o da imagem, extraia o soro e volte a colocar a manteiga na batedeira. Com as mãos envolva a salicórnia partida em pedaços bem pequenos e desta vez com com a vara de bater bolos ainda na velocidade média adicione água fria a fio, suficiente para "lavar" a manteiga e volte a fazer o mesmo processo - retire da batedeira, passe pelo saco,  retire o soro, coloque na batedeira e adicione a água bem fria em fio, até o soro sair limpinho"sujo". Faça este processo quantas vezes for necessário (só fiz duas vezes) porque é muito importante e é o que faz com que a manteiga dure mais tempo. 

Embrulhe a manteiga num papel vegetal ou coloque num tupperware com base de vidro no frigorifico. 

Não consigo dizer ao certo quanto tempo dura no frigorifico, porque foi a primeira vez que fiz manteiga, como oferececi à família, o que ficou em casa acabei por consumir num instante.

Mas em breve farei mais e partilho por aqui.