Sanduíche de pica-pau


O mês de Setembro para mim sempre foi uma espécie de inicio do ano, mesmo anos depois de deixar a escola ainda o sinto. Normalmente tiro sempre férias em Agosto, o que ajuda a fazer uma espécie de "reset" antes que a azafama do trabalho comece. Este "novo" ano começa com algumas mudanças por aqui, porque mudar faz bem à alma e ajuda a seguir em frente com um novo olhar e de preferência a sorrir. 

Gosto muito de comprar livros, aliás gosto muito de comprar tudo o que esta relacionado com comida, mas livros, é viciante. Não sei se é o acto de desfolhar um novo livro e ir à procura da receita ideal, ou se é de os ter todos alinhados, marcados e dobrados prontos para a altura certa em que os tenho de abrir para usar. Gosto, pronto! Mas quando se tem uma colecção razoável de livros de culinária, a escolha começa a ser mais pensada e ponderada antes da compra, existem livros que são pouco criativos e com imagens de cortar a respiração, outros fantásticos, mas com ingredientes que não encontramos com facilidade na zona onde vivemos, outros tão bons que dão vontade de fazer todas as receitas no mesmo dia em que os compramos. Sei que as fotografias não são o mais importante, mas confesso, que para mim (que trabalho com imagens) são o que me leva a comprar a maior parte dos livros, e por vezes, apanho grandes desilusões à conta disso.


Hoje trago uma receita inspirada num livro diferente. Não o desfolhei antes de o comprar, comprei-o pela capa, aqui, pelo chef que adoro, mas principalmente pela temática que é diferente do habitual. Um livro de Sanduíches, algo tão Português e ao mesmo tempo, tão pouco explorado em livros. Foi exactamente por isso que o comprei, é um livro com imagens fantásticas, com receitas simples e outras mais "à chef", acho que é um livro que vale a pena, eu adoro e recomendo.

Lembro-me no lançamento ouvir o chef Hugo Nascimento dizer a quem estava presente, que com este livro, não pretendia que as pessoas fossem seguir todas as receitas à risca, como se um livro de culinária se tratasse. Gostava antes, que o livro fosse uma espécie de incentivo para largarmos o s pratos e criarmos receitas simples, com o que temos dentro do frigorífico. Juntar a isso uma das melhores bases para qualquer refeição - o pão. Já dizia o meu pai, mesa sem pão não é mesa.


Por isso, aqui vai um pica-pau que costumo fazer muito cá por casa aos domingos, acompanho sempre com pedaços de pão, para molhar naquele molho de ir aos ceús. Mas desta vez, foi a carne que se deixou levar por uma grande fatia de pão.

Uma boa semana para todos e um bom regresso a quem como eu, já gozou as merecidas férias. 

Ingredientes: (2 pessoas)
5 bifes (eu usei de porco)
1/2 cebola
5 dentes de alho
3 colheres de sopa de pickles
1 folha de louro
3 colheres de sopa de cerveja
2 colheres de chá de mostarda Dijon
azeite q.b.
sal, pimenta de moer, mostarda de moer q.b.
5 talos de tomilho limão.
1 baguete de pão malte

Comece por partir os bifes em tiras fininhas e tempere com sal, pimenta e mostarda em grão, umas folhas de tomilho frescas e reserve. Pique os dentes de alho em pedaços bem pequenos, e leve (metade da quantidade) ao lume com a folha de louro, a cebola picada e o azeite, numa frigideira anti-aderente. Deixe saltear uns minutos e adicione a carne, em lume médio saltei a carne mais uns minutos e adicione a cerveja, deixe cozinhar (sem parar de mexer) e por fim, adicione a mostarda e incorpore muito bem aos bifes. Não deixe cozinhar demasiado a carne, caso sejam bifes de vaca cozinhe durante menos tempo e caso uso os dois tipos, adicione a de vaca em ultimo lugar. Um minuto antes de desligar, adicione os pickles partidos em pedaços pequenos, o alho e as folhas de tomilho frescas.

Sirva numa baguete e com uma salada a gosto.



Chá fresco de lemongrass e pêssego



Desde que plantei os talos do lemongrass num vaso da minha varanda para ver se "dava", tenho nada mais nada menos do que um "matagal" em casa. Acreditem, que dá-se tão bem! Cortei estas folhas e passados dois dias já tinha novas a crescer, quem tiver dicas para o que fazer com tanta folha, pode deixar aqui, juro que está fora de controle. Nem quero imaginar quando chegar depois das férias.



Enquanto o calor aperta, deixo uma sugestão bem fresca de um chá com uns dos meus pêssegos preferidos e as famosas folhas do lemongrass da margem sul :) Bom fim de semana.

Ingredientes: (1 litro)
4 folhas de lemongrass
2 pêssegos paraguaios
1 litro de água
2 colheres de xarope de beterraba ou mel

Fazer a infusão com as folhas de lemongrass e 500ml de água a ferver, deixar arrefecer por completo e se tiver tempo, coloque a infusão no frigorífico para arrefecer mais rapidamente.



Numa liquidificadora / Bimby coloque os pêssegos, sem caroço,  com a casca e os restantes 500ml de água (para ficar bem fresco use água fria). Passe muito bem os pêssegos, junte a esse néctar o chá previamente arrefecido e passe durante mais uns 20 segundos. Coloquei chá numa jarra, adicione o açúcar a gosto, eu usei xarope de beterraba, mas podem usar o que quiserem e por fim decorrei com mais umas fatias de pêssego e gelo.



Viva ao verão e às bebidas frescas.


Bolo de tangerina e chocolate


Não sentem a sensação de nas férias, acabamos sempre por comer em excesso? Eu sou assim, sejam elas onde forem, há sempre uma altura em que sonho por uma sopa de legumes ou um bolo caseiro. Assim que volto a casa corro para a cozinha, e trato de realizar os meus sonhos. Este mais uma vez, não passa de um bolo super simples de iogurte (como eu adoro), desta vez dei um toque de citrinos e chocolate para lhe dar alguma "graça".

Mas de uma coisa é certa, se ainda estão em férias (tal como eu), esqueçam a "linha" só um bocadinho e tratem de ser felizes, porque afinal de contas são só umas semaninhas... o resto do ano podem recuperar, ou não! :)



Ingredientes
250g de iogurte natural (2 iogurtes)
125g de manteiga liquida Vaqueiro
200g de açúcar de coco
4 ovos
300g de farinha sem fermento
1 colher de sopa de fermento para bolos
raspa e sumo de 2 tangerinas
70g de chocolate negro

Numa batedeira comece por bater a manteiga com o açúcar até obter um creme. Adicione os iogurtes e os ovos (1 a 1) sem deixar de bater, adicione a raspa e o sumo das tengerinas e por fim a farinha e o fermento peneirados.



No final parta as 70g de chocolate em pedaços pequenos e incorpore à massa do bolo

Unte uma forma com manteiga liquida e polvilhe com farinha, e leve ao forno 45 minutos a 180º ou até o teste do palito sair limpinho.

Espaguete com manjericão roxo e alcaparras

    
Este mês é o mês que menos faço, normalmente tiro sempre férias e férias para mim é sinal de que vou estar um pouco ausente da minha cozinha, mas ao mesmo tempo, vou descobrir novos ingredientes e provar coisas bem boas que não tenho hábito como durante o ano. 

Por isso, aqui vai uma receita super simples, que para quem como eu, vai tentar "escapar" o máximo tempo possível da cozinha durante o mês de agosto.

As vezes noto que se complica demais na cozinha, até eu o faço, uso uma data de ingredientes para fazer um prato que pensando bem até ia lá com 2 ou três. Esta massa é um bom exemplo do que falo, uma massa simples que com poucos ingredientes ficou fantástica.


Ingredientes: 2 pessoas
125g de espaguete
3 dentes de alho
5 alcaparras
3 talos de manjericão roxo fresco
1 fio de azeite
sal
pimenta
parmesão ralado

Comece por cozer a massa com um fio de azeite, 5 folhas de manjericão e sal.

Enquanto a massa coze, pique 3 dentes de alho e coloque juntamente com as as 5 restantes folhas do manjericão (eu fui buscar as restantes 5 à massa da cozedura) e juntei todas, num almofariz com 1 fio de azeite e pique até ficar uma pasta homogénea.



Desligue a massa quando estiver al dente, escorra (guarde um pouco da água da cozedura), ligue uma wok com a pasta do manjericão e alho, mais um fio de azeite e as alcaparras, deixe saltear um pouco e adicione a massa. Saltei novamente, coloque 2 a 3 colheres de sopa da água da cozedura e desligue quando a massa absorver o sabor do manjericão.


Retire do lume, adicione parmesão ralado e mais umas folhas de manjericão.  


Que passem todos um óptimo mês de agosto.

Gelados de ruibarbo e morango


Parece que é desta que o verão chegou ao centro do país, o calor aperta e a vontade de comer gelados é já diária, apesar de eu ser menina de os comer quase durante todo o ano.

Provei ruibarbo pela primeira vez o ano passado, pelas mãos da autora deste blog. Na altura ia de férias congelei, depois para o gastar levei imenso tempo porque já sabia que dificilmente ia ter a sorte de encontrar outro à venda. Sou daquelas pessoas que guarda o melhor da refeição para fim, ou quando tem algo novo, prova e logo a seguir fica com uns remorsos de já ter aberto a embalagem, esta sou eu!

Este ano, já não tinha o ruibarbo biológico oferecido pela Naida, mas plantei umas sementes por volta do mês de maio num micro vaso na minha varanda. Acreditam que deu, ainda dizem que a margem sul é o deserto. 

Saíram daqui uns belos talos, vejam no instagram. Congelei, porque ia estar fora na semana que os apanhei, ganhei coragem e lá saíram estes gelados, (ainda tenho mais uns talos congelados para matar saudades no inverno).



Vamos lá festejar a vinda do calor e o belo mês de agosto que está à porta.

Boas férias, para quem via, já foi ou ainda irá.

Ingredientes: (10 gelados)
100g de morangos (pesei congelados)
100g de ruibarbo (pesei congelado)
300 ml de água
3 colheres de sopa de xarope de beterraba (ou outro tipo de adoçante/açúcar a gosto)

Para esta receita necessita de uma forma para os gelados.

Normalmente, tenho sempre fruta no congelador para o ano todo, neste caso foi mesmo retirar a fruta do congelador e meter na bimby.

Coloquem na bimby/liquidificadora, o ruibarbo com os morangos e cliquem umas 7 vezes no botão turbo e depois passem tudo bem numa velocidade alta. Levem ao lume até os morangos e o ruibarbo ficarem em liquido e evaporem um pouco da água do congelador.


Retirem do lume e deixem arrefecer. Juntem a água e levem novamente à liquidificadora, passem bem até o liquido se envolver ao "doce rápido". Adicionem o xarope de beterraba, mel ou outro adoçante ao vosso gosto e coem o sumo para que não deixem passar nenhuma semente ou fio indesejado.

Deitem o sumo nas formas e levem pelo menos 4 horas ao congelador.


Fica um gelado super fresco, os meus sobrinhos aprovaram :)